Discussão:Wikimedia Brasil Educação

Grupo de Usuários Wiki Movimento Brasil
Ir para navegação Ir para pesquisar
Gnome-system-file-manager.svg Página mantida por motivos históricos
Se quiser discutir sobre o assunto abordado aqui, é aconselhável fazê-lo na Ágora.
Nota: Esta página pode conter informações defasadas ou incorretas.

Disciplinas[editar]

Organizei as disciplinas do programa, criando A história romana na Wikipédia (Unirio) e Predefinição:Info/Disciplina, para facilitar o acompanhamento da aplicação da disciplina a longo prazo.

É válido criar uma página para cada disciplina, ou é melhor colocar todas em uma mesma página?

Precisando de ajustes na infobox, não está nada boa.

Rjclaudio 15h41min de 11 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]

Tenho dúvidas se o melhor local para centralizar as informações do projeto é aqui, na br.wikimedia, pois é um projeto todo desenvolvido para funcionar na wikipédia. Acho que o melhor a fazer é só colocar um link para a pédia e desenvolver tudo por lá.OTAVIO1981 (discussão) 12h16min de 12 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]
O projeto usa a wikipédia, mas mts tb usariam a wikiversidade, ou o wikinotícias. Na wikipédia ficaria as informações importantes para o público, como a explicação do q é o programa, o que cada parte faz, etc, e na wmbr fica a organização, planejamento, discussões, análises. Na wikipédia não tem mts interessados no programa, e os que tem já fazem parte da WMBR, e o inverso não é verdadeiro (alguns da wmbr não editam na wikipédia) então o melhor é colocar as informações sobre a gestão do projeto por aqui.
As páginas de disciplina na wmbr falariam mais como foi a aplicação das turmas, contato, alunos interessados, resultado (alguém virou wikipedistas), perspectivas pro futuro, etc. As páginas na wp falariam da aplicação do programa, cronograma, lista de alunos, artigos que estão sendo editados, método de avaliação, etc.
Os professores e estudantes, embaixadores de campus e online, usam a wp (e wv, wb, wn), e quem coordena o programa usa a wmbr.
Rjclaudio 12h23min de 12 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]
Em termos do Global Education Program a plataforma a ser utilizada é a wikipédia. O problema todo é a duplicação de informação em locais diferentes. Colocaram lá na wikiversidade sobre o projeto da unirio para quê? E pensando nos interessados, a melhor porta de entrada também é na wikipédia afinal é lá que a coisa acontece. Aqui deveriamos nos limitar a colocar os links para os programas e um resumo dos resultados alcançados.OTAVIO1981 (discussão) 12h42min de 12 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]

Ai ai..., o GEP é algo burocrático, feito em um modelo estadunidense que sobrecarrega os voluntários, e criado pela WMF que não consegue ver além da Wikipédia, não é verdade que as coisas só ocorrem na Wikipédia, olhe, e a Wikiversidade é muito melhor para os professores do que a Wikipédia, alias, o WBooks e o WSource também são melhores que a Wpédia; Wpédia é o projeto que deveria ser menos incentivado por programas educacionais, essa é a realidade. E a Wpédia é uma comunidade essencialmente online, dificilmente ela se mobiliza no mundo real, diferente daqui. Não é uma critica ao que fizeram na Unirio, mas se tivessem se apoiado via WMBr, em vez da WMF, provavelmente você estaria muito menos sobrecarregado, pois a nossa visão é de mobilização de voluntários, não de eleição de um voluntário modelo. Rodrigo Tetsuo Argenton 13h28min de 12 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]

Imagina se não fosse crítica!hehehe OTAVIO1981 (discussão) 15h43min de 12 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]

É verdade q precisamos definir melhor a relação WMBR, wikipédia, e wikiversidade, o que fica em cada lugar, qual plataforma usar, essas coisas. Ver também Wikimedia:Ágora/Embaixadores e Wikiversidade, onde começou discussão sobre usar a wikiversidade como plataforma padrão, ao invés da wikipédia. Rjclaudio 16h01min de 12 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]

Turmas que não conhecia[editar]

Vagando pela Wiki, esbarrei nas páginas dos embaixadores, mais especificamente Usuário(a):Vanessa de Sales [1] e de lá eu fui para Wikipédia:Wikimedia Brasil Educação/Cursos. Qual a minha surpresa ao ver ali duas disciplinas que eu nem tinha conhecimento mesmo depois q mexer bastante nas páginas dos embaixadores na WMBR.

Uma é a disciplina de Sistemas Multimidia da Unirio, q o Otavio até é embaixador online. Otávio, como vc não fala disso? Ou falou? Como foi a turma? Quem é "Usuário(a):Fkolk" , o embaixador de campus? Como nunca chamamos ele para o nosso grupinho Do Rio? A PU da Vanessa de Sales é toda um artigo da wikipédia e não é editada desde setembro. Essa página será / foi aproveitada? (pro Computação gráfica talvez)

Achei também uma disciplina do Fabio Kon da Universidade de São Paulo (Desenvolvimento de Software Livre), a ser iniciada em Dezembro (agora, esse mes, q tá acabando), mas que não tem página da disciplina nem embaixadores de campus nem online. Chegou a ser iniciada? Daremos suporte pro professor? Quem é o professor? Nós que chamamos? Ele sabe que a WMBR existe?

Tenho q passar a vigiar todas as páginas dos embaixadores na wikipédia, wikiversidade, e quem sabe até wikilivros, pq sinto que estou perdendo algumas informações (sou só eu?).

Rjclaudio msg 18h47min de 22 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]

Mandei um email para o professor Fabio Kon ontem e estou aguardando o retorno. Não houve nada com ele esse semestre e ele propôs algumas atividades com MediaWiki para alunos de pós, mas ninguém quis.
Por isso coloquei como uma das metas melhorar a página principal do programa e centralizá-la, pois está confuso (veja discussão na página dos embaixadores). Antes do fim do ano espero que esteja boa. De fato, achar todas essas informações e tomarmos cuidado para não perdermos algo para o próximo semestre será essencial. Obrigado pela ajuda, Claudio. --Everton137 18h59min de 22 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]
O Fkolk é um aluno da Unirio sem experiência em wiki que se voluntariou a participar do projeto. Ele participa lista da Wikimedia-BR e foi a todas as aulas da Juliana para aprender e tentar repassar na turma da noite, do qual também era aluno. Só participei de 1 aula da professora Leila e fiquei acompanhando on-line o que os alunos faziam. Pelo que percebi, teve algum problema no meio do caminho e o projeto não foi a frente. O melhor é perguntar a Juliana que tem contato direto com a Leila para saber detalhes do que aconteceu e tentar não repetir os erros. Pelo que percebi a Leila é ocupadíssima e faltou interação de todos para consertar os problemas pelo meio do caminho. OTAVIO1981 (discussão) 19h08min de 22 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]
Vou entrevistar a professora Leila e conto o que houve. A Juliana está de férias. Ela merece. --Everton137 19h32min de 22 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]
Professora ocupada e sem experiência em wiki, com um embaixador de campus também sem experiência em wiki. Não ia dar certo. Bem, temos um voluntário para ser embaixador de campus, só precisamos capacitar melhor ele, e incluí-lo nas discussões, quem sabe na próxima aplicação ele vira embaixador. Você q teve mais contato com ele, dá para investir? Marcar uma conversa com ele? Rjclaudio msg 20h06min de 22 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]
Se tivessem uma equipe, ao invés de um cara o problema seria atenuado, ou resolvido, e também se eles soubessem que as pessoas da WMBr são abertos a responder dúvidas, e é que só enviar emails para a lista ou abrir uma discussão na Ágora que em pouco tempo teria a resposta... Rodrigo Tetsuo Argenton 21h42min de 22 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]
Acredito que esta é a situação mais comum que vamos enfrentar: professor ocupado e voluntário inexperiente. Não é nada fácil agendar horários de aulas com os voluntários experientes que já participam do projeto. A ajuda on-line é muito boa, principalmente na hora do sufoco no final do semestre, mas não é suficiente para explicar metade do projeto. É preciso uma estrutura auto-explicativa muito boa para suprir esta necessidade de um voluntário presencial. Não sei dizer se o Fkolk terá interesse em continuar, acho que não, e esta é outra dificuldade que temos que lidar: a capacitação deve ser para um voluntário com perspectiva de ajudar por um bom período de tempo, reforçando ainda mais a necessidade de ser alguém já envolvido com o projeto.OTAVIO1981 (discussão) 17h32min de 23 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]
Otavio, suas contribuições são muito úteis. Tem como marcarmos uma conversa por skype para eu fazer algumas perguntas sobre o semestre anterior e a sua experiência com o programa? Meu login lá é o mesmo daqui. --Everton137 17h49min de 23 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]
Não tenho Skype mas se você tiver um número de celular da TIM ou um telefone fixo para o qual eu possa te ligar é só marcar um dia e horário durante a semana que te telefone sem problema algum. Final de semana é complicado pois tenho muitos outros afazeres então fica mais difícil de combinar.OTAVIO1981 (discussão) 19h11min de 26 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]

Páginas na wiki[editar]

Só agora q vi q temos Wikipédia:Wikimedia Brasil Educação e Wikipédia:Embaixadores, resultando em algumas páginas duplicadas (Wikipédia:Wikimedia Brasil Educação/Embaixador de Campo e Wikipédia:Embaixadores de Campus, Wikipédia:Wikimedia Brasil Educação/Tutorial e Wikipédia:Embaixadores/Ferramenta de aprendizagem).

Como o uso da Wiki em sala de aula não é exclusivo do Brasil, o ideal seria uma página central para falar como a Wikipédia pode ser usada em sala de aula e as várias opções de aplicação, e ter uma página para cada país (como Wikipédia:Wikimedia Brasil Educação) para falar os detalhes do programa naquele país (disciplinas, embaixadores, contato e ajuda específico para aquele país, essas coisas).

Aproveitar / fundir tb a Wikipédia:Projetos escolares e universitários (e suas subpáginas) na página central de Wikipédia na academia pq isso pode acabar desviando / atrapalhando os envolvidos.

Considerando q Wikipédia:Wikimedia Brasil Educação está com o nome do programa geral de edução e não de Embaixadores, vai servir tb para outras aplicações fora o ensino em universidades? Rjclaudio msg 22h31min de 22 de dezembro de 2011 (UTC)[responder]

Bloqueio da página[editar]

Primeiro, é completamente antiético um voluntário fazer uso das ferramentas de bloqueio confiadas pela comunidade quando em conflito direto sobre qualquer assunto. Segundo que a participação ou não do projeto deve ser decidida pela comunidade e o assunto está em aberto na lista de e-mails, conforme registrei no sumário de edição. Até agora pelo que me consta a única pessoa que se posicionou frontalmente contra a atividade foi o Argenton o que é mais um motivo para reprovar este bloqueio. A página mantinha o conteúdo faz tempo e em nenhum momento ele sinalizou que iria tirar as informações por considerar que o projeto não reflete os valores do movimento. Se alguém deve justificativas aqui, é ele. E eu realmente gostaria muito que outros membros da comunidade se manifestassem pois se o entendimento da maioria é de que o projeto não deve ser atividade da WMBr cada que siga seu rumo.OTAVIO1981 (discussão) 11h15min de 3 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

"E eu realmente gostaria muito que outros membros da comunidade se manifestassem pois se o entendimento da maioria é de que o projeto não deve ser atividade da WMBr cada que siga seu rumo." [2] --Everton137 12h44min de 3 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Essa divisão não existe, a WMBR não exclui a Wikipedia de suas ações, muito pelo contrário. Há um questão de autonomia política entre as duas comunidades, porém nada impede a cooperação para fins comuns. Abraços, Pietro Roveri 12h59min de 3 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
"é completamente antiético um voluntário fazer uso das ferramentas de bloqueio confiadas pela comunidade quando em conflito direto sobre qualquer assunto", "a única pessoa que se posicionou frontalmente contra a atividade foi o Argenton o que é mais um motivo para reprovar este bloqueio" - minha pergunta é porque ninguem desbloqueou a pagina ainda. Béria Lima msg 13h48min de 3 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Sobre a programa de embaixadores e a relação dele com a WMBr[editar]

  • Bom, eu falei reiteradas que o projeto não segue os valores e os métodos da Wikimedia Brasil, e que é um projeto da WMF, o que é.
    • As etapas não passaram por aqui, ou por outro local aberto;
      • Fere a responsabilidade como voluntário da Wikimedia Braisl, parágrafo 4 da Carta.
    • Não houve documentações do projeto;
      • o processo não pode ser reproduzido sem a documentação, isso não me garante a reprodução do projeto, logo não é livre, não é transparente, é como eu enviar um software livre sem o código-fonte, ferindo assim, 3.1, 3.5, da Carta
    • Não houve uma discussão para crescimento do projeto com a comunidade;
      • Mesmo que o espaço não fosse utilizado, e houve um outro canal.. a comunidade não foi chamada para nenhuma conversa, para nenhum debate para como melhorar/construir/criar o projeto, todos os recursos de apoio que poderiam ser utilizados, tais quais os panfletos, possíveis apresentações e qualquer outra coisa, nem foi de conhecimento da comunidade, não agregando material à comunidade, não foi criado pela comunidade, e eu sei que teve material sendo criado de forma não colaborativa. Gerou ainda, erros, como os de tradução dos panfletos.
    • Não houve transparência;
      • O projeto nos foi apresentando depois de definido, não sabíamos as etapas dele, como poderíamos ajudar, quem são os envolvidos... nada foi aberto.
    • Não houve chamados à participação para outros voluntários, apenas voluntários online, até porque nesse tipo de projeto não cabe;
      • Isso fere completamente o parágrafo 3.4, qualquer atividade não tem restrição à participação, se houver uma restrição devido ao número, normalmente negociamos uma maior abertura, se não houver como, ainda discutimos quem está apto, disponível e querendo participar, não me espantaria se tivesse mais uns 3 voluntários para ajudar no presencial, criando um mutirão de ajuda ao projeto, aliviando a carga ao voluntário, diminuindo as chances de erros, criando processos de construção colaborativa, emponderando mais voluntários, aumentando a integração da comunidade...
  • Eu não falei que não deve ter ações para Wikipedia, acabei de iniciar um que envolve profundamente a Wikipedia. Disse apenas que não a WMBr não se cega para os outros projetos e que a página da WMBr Edu na Wikipedia está completamente errada, assim como a mailing list;
    • É um projeto WMF, não se pode levar crédito por algo que não o fez, isso sim é antiético. Não se pode utilizar o nome Wikimedia Brasil para projeto alheio, haverão inúmeras atividades esse ano da Wikimedia Foundation - Brazil programs, e que talvez terão interseção com alguma atividade da WMBr, assim como pode-se ter alguma atividade da WMPt interagindo no mesmo ambiente, a ex a Wikipedia, e não se apropriarão das atividades deles.
      • Mas nada impede de entrarem em debate para melhorar o projeto, os voluntários da WMBr faz isso todas as horas, isso também não impede a participação no projeto, mas sempre trazendo a visão e os valores da WMBr.
    • O programa educacional, diferente do que está lá, não tem enfoque na Wikipedia, tem logos diferentes do que estão lá, tem valores, tem métodos diferentes, e não tem o programa de embaixadores, que é da WMF.
      • Não há problema em ter uma atividade com enfoque na Wikipedia, temos um problema se houver um programa com enfoque na Wikipedia.
      • A WMBr, diferente da WMF, não busca apenas a promoção da Wikipedia, não tem uma limitação para a Wikipedia, as atividades fluem em qualquer espaço.

Organizam espaços abertos para debate, desenho de propostas, articulação de ações e troca de experiências entre voluntários interessados em realizar iniciativas que promovam produções colaborativas de conhecimentos livres a serviço do desenvolvimento harmonioso da humanidade.

Articulam com independência iniciativas autogeridas que podem contar com a colaboração autônoma de voluntários e organizações públicas, privadas e da sociedade civil. Exercem esse papel sem representá-las, ou serem por elas representados, em qualquer esfera.

Engajam e empoderam continuamente seus voluntários na condução de iniciativas que promovam produções colaborativas de conhecimentos livres no Brasil.    — Carta de Princípios 4ª seção

  • Falaram que a criação da associação legal era para dar autonomia e não perder as características da comunidade local, estão fazendo o oposto, se lerem a página antes da minha movimentação, e se lerem o texto do Everton aqui, quem toca os projetos da WMF no Brasil é a WMBr, o que não é verdade, quem faz essas atividades são os staffs muito bem pagos para isso.
    • As atividades da WMBr são construídas e debatidas nesse espaço, não tem pessoas pagas para isso, não tem escolhas a dedo, tem construção colaborativa livre...


Respondendo do que tenho conhecimento[editar]

  • Bom, eu falei reiteradas que o projeto não segue os valores e os métodos da Wikimedia Brasil, e que é um projeto da WMF, o que é.
Sim, é um projeto da WMF e não entendo a natureza do problema. Assim como a Wikipédia Offline está sendo desenvolvido em parceria. Nada é fechado, fixo ou burocrático. Em nenhum momento a WMF estabeleceu um modelo fixo obrigatório e a comunidade está engajada nas alterações. Como parceiros, o desenvolvimento é conjunto.OTAVIO1981 (discussão)
Não tem problema, somos um time, o que tem ficar claro é que se não foi feito com nossos valores, nossos voluntários, nosso espaço, não é nosso. A comunidade buscou discutir várias alterações, até agora não estão sendo postas em práticas, e nem discutidas pelo outro lado. Rodrigo Tetsuo Argenton
Se a sugestão que se refere trata-se da "equipe de voluntários" é algo a se considerar para o futuro. Mas entre meados de outubro quando o Tom foi contratado para a função e o final do semestre não houve tempo hábil de contatar os professores interessados no projeto. Capacitar no campus só interessa se existirem professores no campus interessados. Tudo começa por encontrar os professores e não adianta botar um monte em uma sala e contar as mil maravilhas que não funciona. É um contato tet-a-tet para fazer funcionar. A única professora que tinha ano passado era a Juliana. A da Unesp nem sei como foi o projeto e a Leila da Unirio também teve problemas. O projeto embaixadores por incrível que pareça não começou na Unirio e sim na Unesp. Teve várias coisas traduzidas lá para a pédia e encontrei uma estrutura abandonada. Foi até difícil saber os resultados da Unesp mas o que passou, passou. O que posso falar da capacitação de futuros voluntários na Unirio é que a estratégia lá não deu certo. Vários alunos se demonstraram interessados, blá, blá, blá mas no final todos sumiram e pouquíssimos procuram a Juliana para perguntar qualquer coisa relativa. A impressão que tivemos é que se não tiver um retorno acadêmico (certificado, por exemplo) fica difícil, mas quem está participando ativamente do projeto sabe de tudo isso.OTAVIO1981 (discussão)
Sim, esse é exatamente o problema, e eu não estou falando que somente vocês não documentaram, você mesmo está afirmando que não conseguiu fazer as coisas por não ter nada documentando, isso não pode ocorrer. E sim, Otávio, não adianta fazer um projeto que gera conteúdo, mas não gera colaboradores, poderíamos tentar achar o motivo pelo qual não houve interesses depois de encerrado o projeto, pode-se ter errado em algum ponto, essas discussões são salutares para projetos futuros. Hoje, acho, que temos 5 professores, porque até agora não foi criado um plano de capacitação, antes de começarem as atividades? E porque quando ele foi captar esses professores já não lançou essa proposta? E podemos ter uns 15 voluntários no campus que além de auxiliar os professores tem a função de angariar novos voluntários e novos professores, e daria para realizar atividades sem professores, é só querer. Rodrigo Tetsuo Argenton 22h45min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Pois bem Rodrigo, quando pelo menos eu e a Juliana entramos neste barco não tinha nada documentado. Fizemos o semestre "no improviso" tendando solucionar rapidamente os problemas. O Tom entrou em outubro sei lá, e desde então estamos passando tudo que aconteceu de certo errado para preparar uma estrutura que possa ser replicada. A parte de "captação" de professores é nova e a estratégia foi uma abordagem pessoal. É provável que com mais divulgação pela impressa outros professores se interessem espontaneamente e procurem o projeto, o que facilita pois não precisamos procurar mais. Só o futuro dirá. Por incrível que pareça não é estalar os dedos no campus para os voluntários aparecerem. Dos alunos da Juliana, que sabia do que se tratavam, pouquíssimos se interessaram a este nível de verdade. Foi um problema relatado e soluções já estão sendo planejadas. Infelizmente os campus ficam vazios no período de férias e mesmo divulgação na primeira semana de aula, mesmo que seja capaz de encontrar 5 voluntários, é necessários capacitá-los e isto não é rápido nem fácil. Um embaixador de campus inexperiente é muito ineficiente na solução de problemas em aula.OTAVIO1981 (discussão)
    • As etapas não passaram por aqui, ou por outro local aberto;
      • Fere a responsabilidade como voluntário da Wikimedia Braisl, parágrafo 4 da Carta.
Quais etapas, de criação do projeto? Sim a idéia veio da fundação e não houve envolvimento da comunidade desde um primeiro instante. Se a questão é cobrar transparência ferimos como um todo nossas responsabilidades. A WP Offline não foi transparente em sua concepção, as próprias ações internas não são transparentes no sentido que "todos sabem de tudo". Alguém conduz e a medida que dúvidas surgem a comunidade se engaja. Mesmo sendo uma comunidade pequena nem todos tem conhecimento do que se passa. Se tem algum ponto sem transparência, em um sentido prejudicial, favor indicar que tentarei esclarecer.OTAVIO1981 (discussão)
As que chamaram os voluntários, as que discutiram como seria feito, o que seria feito, aonde, quando.
O sentido prejudicial, é que se não bem documentando e em um local acessível, não se pode replicar, os discutir os pontos conflitantes ou que possíveis melhorias.
A Wikipedia offline foi bem transparente da nossa parte, procuramos retirar ao máximo de informações possíveis, muito diferente do programa de embaixadores. E de novo, as nossas ações foram transparentes se a WMF não fez a parte dela, são outros 500 e um erro não justifica outro.
As etapas de estruturação do projeto ficarão no Meta.wiki e os "Portais" para alunos e professores nos projetos (pédia, livros, etc). É impraticável replicar estruturas e discussões aqui e lá então tivemos que centralizar. A escolha foi lá justamente porque tem que passar tudo para o inglês também, pois é de interesse da WMF. É claro como o Sol que nasce todos os dias que a WMF não vai conduzir isso para sempre. Em algum dado momento a WMB incorpora se for do interesse ou divide-se pelos projetos.OTAVIO1981 (discussão)
O programa de embaixadores segue o planejamento estratégico, portanto, sua criação foi discutida com a comunidade. O programa de embaixadores está aberto para novas ideias, porém há um modelo que está sendo testado e aprimorado. Se há ideia melhor, deve se embasar em resultados práticos. Pietro Roveri 21h40min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
O planejamento estratégico era imenso, eu mesmo que fui uma das pessoas mais ativas da comunidade no processo, não consegui vislumbrar esse projeto, e foi feito fora daqui, e voltado para WMF. Você não terá resultados se não testar, e até agora os projetos no Brasil falharam, foi acrescido conteúdo, mas não tiveram novos voluntários, agora se ficarem fazendo birra e impedindo a discussão, ai nunca saberemos. Rodrigo Tetsuo Argenton 22h45min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
O objetivo principal não é obter novos voluntários. É engajar os professores na utilização da wikipédia (ou outros projetos) como ferramenta de ensino, melhorando a qualidade dos artigos. O objetivo secundário, e principal da comunidade online, é reter estes alunos.OTAVIO1981 (discussão)
    • Não houve documentações do projeto;
      • o processo não pode ser reproduzido sem a documentação, isso não me garante a reprodução do projeto, logo não é livre, não é transparente, é como eu enviar um software livre sem o código-fonte, ferindo assim, 3.1, 3.5, da Carta
Escapa-me onde ficam arquivadas as documentações e em que sentido o projeto precisa ser reproduzido externamente visto que o produto final é a melhoria de artigos da wikipédia que tem licença de distribuição. Não obstante o modelo de trabalho sequer está pronto. OTAVIO1981 (discussão)
Se ele for um projeto fechado, não é de longe próximo à Wikimedia Brasil, que foi o caso. Segundo que se as etapas não estão claras, qualquer pessoa que queira replicar, não conseguirá. Os resultados são o que menos importa em qualquer projeto beta, pois o que mais importa são os processos, para que haja um desenvolvimento e optimização do mesmo, para que futuramente ele possa ser utilizado por inúmeras outras pessoas que tenham interesse com os erros minimizados.
O modelo não precisa estar pronto, precisa estar documentado, ser discutido...
Está sendo documentado mas não tem como ser aqui, pelo ambiente comunitário.OTAVIO1981 (discussão)
Porque não? O projeto não tenta ser da WMBr? Porque não documentar aqui? Só é uma dúvida mesmo, quero entender Rodrigo Tetsuo Argenton 22h45min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
É burocrático demais replicar discussões e estratégias aqui, no meta e na pédia. Tem que centralizar em algum ponto. Sempre que tiver alguma coisa importante a ser discutida ou chamados a participação todos serão convocados a participar. Mas você é convidado a participar das discussões no meta, se quiser.
    • Não houve uma discussão para crescimento do projeto com a comunidade;
      • Mesmo que o espaço não fosse utilizado, e houve um outro canal.. a comunidade não foi chamada para nenhuma conversa, para nenhum debate para como melhorar/construir/criar o projeto, todos os recursos de apoio que poderiam ser utilizados, tais quais os panfletos, possíveis apresentações e qualquer outra coisa, nem foi de conhecimento da comunidade, não agregando material à comunidade, não foi criado pela comunidade, e eu sei que teve material sendo criado de forma não colaborativa. Gerou ainda, erros, como os de tradução dos panfletos.
Seja claro, do contrário não é possível argumentar. Qual canal oculto foi utilizado? Qual material foi criado sem o consentimento da comunidade?OTAVIO1981 (discussão)
Se você que fez parte do projeto não sabe que canal de comunicação foi utilizado, imagine pessoas externas a ele? Não fomos chamados para conversar com vocês, então novamente a comunidade foi excluída do processo, então não pode ser uma atividade da WMBr, se os voluntários não participaram dos processos de desenvolvimento do projeto. E eu falei dos panfletos (Bem-vindo à Wikipédia), e não falei de consentimento e sim de conhecimento da comunidade.
Ta aqui o canal por onde descobri o projeto, caso seja do seu interesse. Não sei dizer quando entrei na lista, mas foi certamente antes desta data.OTAVIO1981 (discussão)
Não é isso... achei aonde estava, mas o link está quebrado. Rodrigo Tetsuo Argenton 22h45min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
    • Não houve transparência;
      • O projeto nos foi apresentando depois de definido, não sabíamos as etapas dele, como poderíamos ajudar, quem são os envolvidos... nada foi aberto.
Existe sim algumas questões definidas básicas como envolver universidades e a wikipédia mas pelo que parece nem isto está escrito a ferro e fogo. Em nenhum momento a WMF deixou de ouvir e levar em consideração a opinião dos voluntários que estão participando. O projeto na minha visão está sendo construído de forma colaborativa por quem tem interesse pelo assunto: veio a partir do modelo americano é verdade, pois é o ponto de partida que tiveram por lá, mas está sendo adaptado a nossa realidade.OTAVIO1981 (discussão)
"a WMF deixou de ouvir", sim, mas de novo, aonde a WMBr entra aqui??? Não entra, não foi algo feito, tocado pelos voluntários da WMBr
O próprio link anterior prova o quanto o projeto é antigo e do conhecimento da comunidade.OTAVIO1981 (discussão)
não, foi discutido
    • Não houve chamados à participação para outros voluntários, apenas voluntários online, até porque nesse tipo de projeto não cabe;
      • Isso fere completamente o parágrafo 3.4, qualquer atividade não tem restrição à participação, se houver uma restrição devido ao número, normalmente negociamos uma maior abertura, se não houver como, ainda discutimos quem está apto, disponível e querendo participar, não me espantaria se tivesse mais uns 3 voluntários para ajudar no presencial, criando um mutirão de ajuda ao projeto, aliviando a carga ao voluntário, diminuindo as chances de erros, criando processos de construção colaborativa, emponderando mais voluntários, aumentando a integração da comunidade...
Recuso me a acreditar que passou despercebido da comunidade chamados a participação. Eu que nem lembro por onde andava achei a discussão e vim colaborar. Se você sabe como chamar mais voluntários experientes a participação presencial agradeceria se colaborasse com o assunto. É muito difícil encontrar um no polo onde o professor vai trabalhar e esta ajuda presencial que é fundamental. E de que modo a participação se tornou restritiva, visto que todos podem participar online? OTAVIO1981 (discussão)
Estou falando dessa comunidade. Pode ter visto em uma esplanada, aqui que não foi.
Link acima, te esclarece as coisas?OTAVIO1981 (discussão)
Sim, eu errei em falar que você não viu aqui, mas não tiro a minha opinião de falar que não fomos chamados à opinar.
Eu não fico a espera de convite a opinar do que for do meu interesse aqui e acho que ninguém deveria. Mas tem que ser algo contundente e prático, senão qualquer um pode ser solenemente ignorado.OTAVIO1981 (discussão)
    • Eu não falei que não deve ter ações para Wikipedia, acabei de iniciar um que envolve profundamente a Wikipedia. Disse apenas que não a WMBr não se cega para os outros projetos e que a página da WMBr Edu na Wikipedia está completamente errada, assim como a mailing list;
De que modo o projeto está cego aos outros projetos se inclusive já foi cogitada a possibilidade de estudantes de jornalismo utilizarem do wikinews, por exemplo? Até onde eu sei pelo menos existe a possibilidade de outros projetos serem envolvidos mas quem dar uma resposta definitiva é o Tom.OTAVIO1981 (discussão)
"mas quem dar uma resposta definitiva é o Tom." isso não é construção colaborativa, isso não é WMBR, isso não é aceitável. Se vão se alinhas com a WMBr, o Everton é só mais um, e alias, ele não gosta da WNews.
Bom, para esclarecer este ponto que fique claro que outros projetos estão incluídos sim. Bastou-me perguntar a Jessie e Tom. Conversando nos entendemos.OTAVIO1981 (discussão)
    • É um projeto WMF, não se pode levar crédito por algo que não o fez, isso sim é antiético. Não se pode utilizar o nome Wikimedia Brasil para projeto alheio, haverão inúmeras atividades esse ano da Wikimedia Foundation - Brazil programs, e que talvez terão interseção com alguma atividade da WMBr, assim como pode-se ter alguma atividade da WMPt interagindo no mesmo ambiente, a ex a Wikipedia, e não se apropriarão das atividades deles.
Se a questão toda é renomear e modificar lá as páginas de modo a não utilizar indevidamente o "Wikimedia Brasil Educação" que seja feito. Isto pra mim não é problema algum.OTAVIO1981 (discussão)
Então que seja feito, pois se o programa continuar do modo que está, o nome da WMBr não deve ser utilizado.
Vai ser feito, fique tranquilo quanto a isso.OTAVIO1981 (discussão)
Mas aqui na página da WMBR Edu continuamos indicando o Programa de Embaixadores, conforme opinião minha, do Castelo, do Vini, do Fabio, do Abdo e do Tom. Pietro Roveri 21h40min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Pode continuar sim, não tem problema algum. Só que como já falei acima na questão da centralização, não dá para replicar em um monte de canto senão a coisa se perde. Por motivos já explicados o melhor local é o meta.OTAVIO1981 (discussão)
Passando só para informar que o nome já foi alterado e não será mais utilizado o "Wikimedia Brasil Educação". Só falta renomear as cats e espero que não seja um problema.OTAVIO1981 (discussão) 11h49min de 7 de março de 2012 (UTC)[responder]
      • Mas nada impede de entrarem em debate para melhorar o projeto, os voluntários da WMBr faz isso todas as horas, isso também não impede a participação no projeto, mas sempre trazendo a visão e os valores da WMBr.
Isto não está sendo feito a todo tempo, trazer os valores e a visão da WMBr?OTAVIO1981 (discussão)
Não, consigo ler pelo seu texto que não, olhe como está sendo feito as ações, não sabemos de nada enquanto está sendo feito, não é transparente, não é aberto, não é um monte de coisas, e eu tenho que forçar toda hora para que lembrem dos valores, e mesmo assim a ação está centralizada em um funcionário da WMF, e as opiniões dos voluntários foram relevadas, e não estou vendo melhorias.
Também não sei de várias outras coisas que se passa. O Tom fez várias chamadas a participação na lista pelo que me lembro.~~
Não sei, o Everton é praticamente um spamner, posso ter perdido, mas duvido, e se o projeto é da WMBr, de novo, tem que estar aqui, e aqui eu sei que não tem registros. Rodrigo Tetsuo Argenton 22h45min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Vc tem que se decidir se o projeto é ou não da WMBr. Para mim está mais do que claro que não é, embora na minha opinião devesse ser totalmente, por tudo que está sendo exposto. OTAVIO1981 (discussão)
    • O programa educacional, diferente do que está lá, não tem enfoque na Wikipedia, tem logos diferentes do que estão lá, tem valores, tem métodos diferentes, e não tem o programa de embaixadores, que é da WMF.
      • Não há problema em ter uma atividade com enfoque na Wikipedia, temos um problema se houver um programa com enfoque na Wikipedia.
Qualquer "atividade" é orientada a partir de um "programa" que é uma sequência definida de ações. Se são rígidas ou flexíveis depende do que se trata mas até onde sei tudo tem sido flexível no projeto.OTAVIO1981 (discussão)
Você não entendeu, WMBr edu é um programa, Wikipedia Educacional Programme é outro programa, que o segundo não é da WMBr, e nenhum programa da WMBr tem enfoque exclusivo na Wikipedia, muito diferente do que está escrito erradamente na página da Wikipedia.
Vai ser consertado quando o nome for trocado. Fique tranquilo.~~
A WMBR não é um programa, é um eixo de atuação. Um programa possui objetivos e escolhe projetos. A concepção do Rodrigo está totalmente equivocada. É o mesmo que dizer que a WMBR Comunicação é um programa, não é, é um eixo de atuação. Pietro Roveri 21h40min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
A não? E o que é isso? Programas, eu não escolhi esse nome não. Rodrigo Tetsuo Argenton 22h45min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Sinto muito, mas não é um programa. Não vou te dar aula porque você não se coloca na posição de aprendizagem, não tenho tempo para perder com você. Mas procure estudar um pouco que vai entender. Pietro Roveri 15h42min de 16 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
      • A WMBr, diferente da WMF, não busca apenas a promoção da Wikipedia, não tem uma limitação para a Wikipedia, as atividades fluem em qualquer espaço.

Organizam espaços abertos para debate, desenho de propostas, articulação de ações e troca de experiências entre voluntários interessados em realizar iniciativas que promovam produções colaborativas de conhecimentos livres a serviço do desenvolvimento harmonioso da humanidade.

Articulam com independência iniciativas autogeridas que podem contar com a colaboração autônoma de voluntários e organizações públicas, privadas e da sociedade civil. Exercem esse papel sem representá-las, ou serem por elas representados, em qualquer esfera.

Engajam e empoderam continuamente seus voluntários na condução de iniciativas que promovam produções colaborativas de conhecimentos livres no Brasil.    — Carta de Princípios 4ª seção

Se a WMF tem um foco exclusivo com a wikipédia cabe a nós articular ações para envolver outros projetos mas isso não passa por excluir os específicos. Não entendi então porque colocaram a imagem da WMBr lá na Esplanada.OTAVIO1981 (discussão)
Eu só coloquei a imagem correta, e tirei uma que está errada, não deveria ter nenhuma marca da Wikimedia Brasil para aquela situação, pois o programa atual nada tem haver com a WMBr. Nada impede uma adaptação, mas do modo atual não pode.
Vai ser retirado, mas veja o caminho que você está forçando. A última seção é uma pista de onde tudo isso vai dar.OTAVIO1981 (discussão)
A WMBR não foca apenas a Wikipedia, mas foca também a Wikipedia. Não concordo com qualquer separação por causa de uma pessoa que opina de maneira contrária. Pietro Roveri 21h40min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Você está com falta de leitura Pietro, não falei de separação, falei para arrumar, o que está lá, não tem nada a ver com a WMBr. Rodrigo Tetsuo Argenton 22h45min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Na minha opinião infelizmente o que visualizo no futuro é uma separação. Hoje temos um projeto que é 95% WMF e 5%WMBr. Não dá para jogar fora tudo que já foi feito por mais problemas que existam nem começar do zero porque é burrice. Temos que nos "infiltrar" totalmente no projeto pelos caminhos que estão abertos e transformá-lo para algo 100% WMBr, porque a WMF está ajudando temporariamente na esperança que em algum ponto a coisa funcione sozinha. A mesma coisa é a relação com a Wikipédia. A idéia do Argenton de começar tudo do zero é completamente descabida. Tem que se juntar na comunidade, entendê-la e lentamente trabalhar novos valores.OTAVIO1981 (discussão)
  • Falaram que a criação da associação legal era para dar autonomia e não perder as características da comunidade local, estão fazendo o oposto, se lerem a página antes da minha movimentação, e se lerem o texto do Everton aqui, quem toca os projetos da WMF no Brasil é a WMBr, o que não é verdade, quem faz essas atividades são os staffs muito bem pagos para isso.
Novamente passa por uma questão de renomeação da página, sem celeuma.OTAVIO1981 (discussão)
Então o faça, ou adapte o programa, de novo.
Só para reiterar, será feito.OTAVIO1981 (discussão)
Não temos que nos adaptar a uma única opinião em detrimento da opinião de outros seis. Não deixem que esse rapaz ganhe no grito. Pietro Roveri 21h40min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
A comunidade é livre para se manifestar e participar Pietro. O que realmente não dá é para contribuir voluntariamente em um ambiente ruim. OTAVIO1981 (discussão)
Passando só para informar que o nome já foi alterado e não será mais utilizado o "Wikimedia Brasil Educação". Só falta renomear as cats e espero que não seja um problema.OTAVIO1981 (discussão) 11h49min de 7 de março de 2012 (UTC)[responder]


    • As atividades da WMBr são construídas e debatidas nesse espaço, não tem pessoas pagas para isso, não tem escolhas a dedo, tem construção colaborativa livre...


Novamente passa então por mover todo o trabalho sendo feito aqui no domínio br.wikimedia para o Meta e wikipédia, por exemplo. Mas agora faço a pergunta elementar de tudo isso: quem decide isso, o que fica e o que sai, é você sozinho ou a comunidade? De que modo você presume estar cumprindo os valores da carta de princípios, em número o 1 e o 5? OTAVIO1981 (discussão)
Bom, estamos no Brasil, temos três tipos de voluntário, aquele que só fala e não faz, o que é da turma do "deixa disso" e não dá opinião e os carregadores de piano. Eu participei dos processos de construção da Carta, ajudei nos processos de construção de vários mutirões e não sou da turma do "deixa disso", pois priorizo os valores à atividades, atividades sem os valores não são válidas. Então, se só eu estou falando, não me culpe, culpe a comunidade que não se importa com os valores que foram construídos em um processo de consenso e discussão por meses. E não é a minha opinião, são fatos e partes da carta, tem a minha interpretação sim, mas ela interfere pouco, nesse caso. Rodrigo Tetsuo Argenton 08h09min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Diante dos fatos, não há argumentos.OTAVIO1981 (discussão)
É possível centralizar as ações em outros locais, mas ainda continuamos indicando o Programa Embaixadores na WMBR Edu. Se moverem tudo, trarei de volta. Pietro Roveri 21h40min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
"Se moverem tudo, trarei de volta." "Não temos que nos adaptar a uma única opinião", estranho não? para mim é conflitante a sua opinião. Rodrigo Tetsuo Argenton 22h45min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Eu não vou tirar nada daqui e se for importante para a comunidade eu atualizo o que for necessário, como por exemplo a idéia do Solstag que achei ótima. Não é maldade, pinimba nem pirraça. É que não dá para ficar trabalhando em um monte de ambientes pessoal. O que eu vejo como positivo é todo mundo se esforçar para criar no meta um projeto com a nossa cara e em algum momento quando a WMF disser "podem conduzir daqui em diante sozinhos", trazemos tudo para cá. É uma decisão estritamente técnica e não tem absolutamente nada a ver com toda a discussão que está acontecendo.OTAVIO1981 (discussão)

Desbloqueio[editar]

Ni!

Estou desbloqueando a página porque após o desentendimento alguns de nós reuniram-se e tem uma nova proposta de redação que acreditam contemplar em boa medida todas as partes.

Peço ao Rodrigo e Otávio que abstenham-se de editá-la até um momento futuro.

Deixemos que Castelo, Pietro e Vini concluam as modificações imaginadas e, feitas estas, vamos discutir aqui as discordências que permaneçam antes de voltar a editar.

Abraço,

--Solstag 03h04min de 5 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Lendo o log percebo que as questões indicadas pelo Argenton não foram discutidas pontualmente. Considero fundamental para resolver o conflito de idéias em definitivo que os interessados se esforcem em fazê-lo e a desta discussão surjam soluções consensuais. Acrescento que não editarei mais esta página.OTAVIO1981 (discussão) 15h12min de 5 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
As questões pontuais não foram discutidas, entretanto, por consenso de quem participou, julgou-se que o Programa de Embaixadores seria um dos tópicos do WMBR Educação, assim como a Wikiversidade também o é. A questão é que se trata de um tópico mais desenvolvido, com um método e resultados já existentes, portanto acaba se destacando na página. Abraços, Pietro Roveri 11h46min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Pelo meu entendimento das questões apontadas pelo Argenton não foi questionada a participação da WMBr com um tópico do WMB Educação. E a questão não é o que foi por você apontado ("tópico mais desenvolvido, com um método e resultados já existentes, portanto acaba se destacando na página.") mas sim uma série de pontos relacionados aos valores e métodos de trabalho do movimento wikimedia, por exemplo. Reitero a importância de que a comunidade discuta pontualmente cada questão levantada e uma solução consensual seja alcançada para solução em definitivo do problema.OTAVIO1981 (discussão) 12h15min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Sim, Otávio, esse ponto continua em discussão. Dando minha contribuição, não podemos esquecer que o Programa de Embaixadores é o resultado do que foi tratado no Planejamento Estratégico da WMF, planejamento este que foi aberto. Nesse sentido, apesar de não ser algo que se originou na comunidade, os valores e os objetivos finais estão totalmente de acordo com os nossos. A crítica da comunidade não ter participado não se aplica, pois os membros que se envolveram puderam participar e inclusive sugerir melhorias na metodologia. Caso mais gente desejasse - ou deseje - participar, o programa de embaixadores continua aberto. Ao meu ver, a questão é, basicamente, que é preciso colocar a mão na massa para oferecer sugestões realmente válidas numa atividade que já foi pensada e discutida por muitas pessoas. Abraços, Pietro Roveri 12h24min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Só pra não parecer contrário com o que eu digo na seção PdV, as ideias iniciais do programa vieram do planejamento estratégico e foram muito participativas. Quando refiro-me ali a planejamento estratégico estou dizendo do momento atual. Aliás, vou trocar, pois planejamento de ação tem mais sentido lá. Abs! --Solstag 13h09min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Todos foram convidados a participar do encontro no IRC, mas alguns não puderam ou não quiseram participar. Lá, os participantes discutiram o que eles próprios consideraram relevante. Afinal, seria complicado argumentar por quem não estava presente. Nada impede que outros voluntários, ou os mesmos, combinem outro momento ou usem ferramentas assíncronas, como essa página aqui. CasteloBrancomsg 13h12min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

PdV[editar]

Bom, já que perguntaram minha opinião em algum lugar aí...

  1. A gestão e o planejamento de ação do programa embaixadores - não confundir com o trabalho dos voluntários ou com o planejamento estratégico do qual originou-se - são notavemlente deficientes do ponto de vista de transparência e participação, independente de qualquer relação com os mutirões. Mesmo o Tom vem fazendo um trabalho aquém do desejável, por vício da concepção e da organização. No lugar de serem facilitadores mobilizando a comunidade e ajudando-a a pensar junto seus processos, os funcionários estão fazendo o trabalho de voluntários, sem organizar procedimentos e documentação para que um dia voluntários os substituam, nem mesmo documentar suas atividades para que o movimento possa acompanhá-los e orientá-los. Também estão enrijecendo as relações do movimento com potenciais colaboradores, através do estabelecimento de canais privilegiados que na prática tornam-se exclusivos à pessoa deles e criam uma membrana à participação.
  2. Não por isso devemos excluir ou diminuir o programa embaixadores na página da WMBR Edu. Pelo contrário, devemos criticar a WMF e exigir que o programa seja executado de forma menos autoritária da parte deles, inclusive usando a página da WMBR Edu para expôr, propôr e corrigir isso.
  3. A WMBR é uma wiki para organizar atividades de extensão, assim como a Wikipédia é uma wiki para organizar uma enciclopédia colaborativa; nossa carta de princípios nada mais é que um paralelo para os cinco pilares nesse outro contexto. Qualquer projeto de extensão que se pretenda aberto e colaborativo é de interesse documentar aqui, para que se aperfeiçoe como mutirão, pois um mutirão nada mais é que um projeto de extensão suficientemente documentado, inclusive em termos de contatos e acesso a recursos, a ponto que qualquer pessoa possa tomá-lo, liderá-lo ou replicá-lo adaptando-o à sua realidade.
  4. A WMBR Edu não é um ponto de entrada adequado para professores, ao contrário do sugerido em algum ponto da conversa. As páginas que se convencionou chamar de programas tem um caráter muito mais organizacional do que introdutório. Para entrada existem os portais, como o Portal:Professores, que precisa ser criado e aprimorado, onde há muito mais flexibilidade para o uso de uma linguagem, escopo e diálogo adequados à orientação.
  5. A criação de mais uma lista com o nome da WMBR foi bastante apressada e inconsequente. Foi ilegítimo usar o nome da Wikimedia Brasil num canal de comunicação sem antes consultar a comunidade. Em particular, quando alguém faz isso com o peso da WMF por trás, é simples e direto abuso de poder.

Abraços, --Solstag 12h59min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

As vagas críticas acima merecem resposta? Sobre a questão dos nomes, como sempre digo, eu não me importo. Se quiserem, dou o nome à lista de Waka waka midia. O que acham? O que eu quero é ação e menos masturbação mental. E isso está sendo feito e relatado. Se precisam de mais relato e caso tenham dúvidas sobre o trabalho feito, critiquem pontualmente. --Everton137 13h15min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Alê, sobre o que você indicou:
  1. Acredito que o Tom estava justamente tentando dar mais transparência ao processo quando editava esta página com as informações do Programa de Embaixadores. De fato, a forma ainda não é o que idealizamos, sobretudo em relação à mobilização da comunidade. Porém, não podemos esquecer a amplitude mundial do Embaixadores e talvez a relevância das comunicações entre os participantes. Isso não invalida o seu comentário sobre os canais privilegiados que, ao meu ver, surgem em função dessa necessidade de instrumentalizar algo que está ocorrendo concretamente e necessita de decisões rápidas. Por outro lado, julgo que devemos primar por decisões colaborativas, mas para isso é preciso uma maturidade dos atores que se engajam nos debates, devendo objetivar o consenso e não somente a defesa de um ponto de vista.
  2. Estou de acordo. Acho que a existência de informações abertas com um agenda divulgada previamente, ainda no planejamento, já pode iniciar o caminho de abertura. Sugiro que isso continue ocorrendo no espaço dessa página ou que se faça numa página derivada.
  3. De acordo, vale o mesmo comentário acima.
  4. O Tom criou a lista para tentar tratar desse problema, será que podemos usá-la até que se construa esse portal?
  5. De fato, não houve consulta à comunidade. Acredito que ele tenha sido audaz para tentar resolver esse problema do caminho de entrada. Da minha parte, a existência de uma lista + portal é o ideal. Não sei se o nome mais adequado é esse, mas por hora apoio.
Abraços,
Pietro Roveri 13h23min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Poisé, como eu disse, o vício é da concepção e organização do projeto, não próprios do Tom. Ele apenas não focou energia para desembaraçar esses vícios ainda. Acho que como só falei no nome dele a mensagem pareceu mais pessoal. Além disso, como te disse agora pouco, pode parecer que tou pedindo mundos e fundos, quando é pouquinha coisa q precisa ser feita pra ficar superlegal.
Sobre a lista, eu acho ela uma boa ideia e complementar ao portal, desde que com escopo específico para novatos se aproximarem das wikis, não pra ser mais uma lista onde o povo vai discutir coisa da wiki por lá. Mas acho que isso tá bem estabelecido. Minha observação foi de que teria sido muito melhor - e menos dolorido - consultar os demais antes de criar. A questão do nome é na realidade um gatilho questões mais básicas, como estabelecer um novo processo, com novas demandas, onde voluntários já acabam indiretamente comprometidos. Nesses casos, é bom perguntar, não custa nada, aliás, só beneficia. --Solstag 14h07min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Pô, falar em "abuso de poder". Eu criei uma lista com um nome tendo em vista simplesmente ajudar usuários novatos que não conseguem editar o wiki. Tanto que falei com o Vini que poderíamos usar a lista para o GP. Coloquei um nome pensando na comunidade, pois não queria ficar em mais uma discussão sobre nomes. Eu tenho que falar com as pessoas, eu tenho que divulgar algo concreto e tenho que ter um nome. Não dá para eu chegar para um professor e ficar discutindo o sexo dos anjos. Meu objetivo é simples, como parte do programa de educação: envolver professores e estudantes universitários na edição da Wikipédia. Quando vou falar com alguns professores, alguns dizem "É mesmo, a Wikipédia em inglês é bem melhor. Quem é que edita a versão em português?" Há uma ignorância enorme sobre a Wikipédia, sobre quem a constrói e métodos para usar as salas de aula para envolver professores e alunos está em construção. Se eu tenho que, em 10 dias, gastar mais de 4 horas discutindo sobre um indivíduo porque 6 pessoas vem falar sobre ele e reclamar, eu realmente não posso ignorar, tanto que estou tentando contornar da melhor forma possível e tentando fazer o meu trabalho. Estou divulgando a Wikiversidade (uma professora, numa conversar em que o Rodrigo estava presente, me viu divulgar e ela adorou a idéia), estou divulgando a Wikinotícias (um professor recém contratado em Goias adorou a idéia de usar esse wiki como espaço de treinamento para os alunos), estou divulgando o commons. Eu não separo as coisas e estou aberto a idéias e propostas concretas. Já fazia, faço e sempre farei trabalho voluntário para os projetos da Wikimedia, então às vezes fica difícil distinguir quando estou fazendo algo para a Wikimedia Foundation e estou aprendendo a organizar isso. Tanto que meus relatos no meta foi para tentar ser o mais transparente possível e, se é necessário mais detalhes, o farei. Se precisam ver minha agenda no google calendar, o farei. É só pedir, é só sugerir. Críticas vagas e levianas ou esforços de destruir um trabalho baseado em discussões sobre o sexo dos anjos não podem atrapalhar um trabalho feito com boa vontade e, desde o ínicio divulgado, pedindo opiniões da comunidade. --Everton137 13h59min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Proponho o seguinte:
O Tom publica a agenda dele semanamente aqui na página da WMBR, ou numa página derivada, e também atualiza a comunidade - pela wiki e pela lista da wmbr - sobre as ações mais importantes, pedindo opiniões e sugestões de melhorias. Caso houver o interesse e consenso da comunidade, as ações ou a agenda podem ser alteradas. Caso algum membro da comunidade deseje, poderá acompanhar o Tom ou até mesmo ir sozinho nas reuniões ou atividades programadas. Finalmente, a comunidade, por iniciativa própria, pode planejar e executar outras atividades que complementem o que vem sendo feito no Programa de Embaixadores - mesmo em nome deste programa - sem que necessite de autorização, porém com discussão aberta inclusive para o Tom, Foundation ou outros participantes do Programa de Embaixadores no mundo. Que tal? Abraços, Pietro Roveri 14h03min de 7 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Psiu, baixa a bola ai, que nessa discussão aqui você é contratado, não é voluntário. E se você não centralizasse as coisas a seu redor, você não teria que dar explicações a ninguém sobre nenhum individuo, estou certo? Se entendesse mais do Movimento era só falar "ele é um voluntário, como outros e como não temos representantes essa é a opinião dele" alias, se não centralizasse as pessoas nem iriam falar com você sobre algum problema, porque você não pode responder pelo grupo. Você tem divulgado atividades falando para entrar em contato com você, não com o grupo, vi várias vezes isso, e em situações de voluntário, e não quer que as pessoas reclamem para você? Você se põe em papel de responsável, por algo que não é, vai ter que ouvir reclamações, não é só autopromoção que ganhará com isso. Pedidos de opinião.... bom, que não estão sendo levados em conta, muito menos vejo você discutindo para melhorar do programa. Cade as atividades de capacitação levantados por mais de um voluntário, por exemplo? E quem é você para dizer que a opinião do outro é leviana? Esse emprego ai é temporário, e é para melhoria de projetos no Brasil, se não tiver o contato devido com a comunidade, e ser passado a diante esses contatos, eles se perderão e nada adiantou o investimento financeiro da WMF, pois em 2 anos todos os contatos caem por terra. Então você deveria ter uma interface bem maior com a comunidade, fazendo com que ela tenha contato com as pessoas que têm interesse em realizar ações, até para essas pessoas conhecerem os voluntários e tomarem confiança neles, chame para todas as conversas que tiver os voluntários, um o outro terá a disponibilidade, não centralize, convide o contato para participar de discussões com a comunidade, utilize a Ágora para conversas. E boa vontade nunca garantiu qualidade, responsabilidade e poderes divinos. E isso aqui não é sexo dos anjos não, isso daqui são problemas que você tem que resolver. Rodrigo Tetsuo Argenton 08h30min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Nem li. Próximo. --Everton137 16h52min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Rodrigo, novamente, quero chamar a atenção para a forma como você trata as pessoas. Nada justifica essa forma de tratamento. Por outro lado, apesar de não concordar, parece que ficou claro que os seus inúmeros questionamentos remetem ao modo de ação do Tom e não especificamente ao Programa de Embaixadores, é isso? Se eu estiver correto, como pode ver na minha mensagem anterior, houve uma proposição de modo de operação do Programa e, por conseguinte, das relações que este terá com a WMBR. Para seguirmos em frente nas inúmeras outras tarefas que estão acumulando - iberocoop, GP, oficinas sesc - gostaria que você iniciasse um processo de entendimento e consolidação da discussão. Sabemos que é capaz de verificar para onde vai o consenso dos que opinaram, alguns até se aproximaram do que você deseja, e de parar de apontar defeitos e começar a focar em soluções. Não nos faça perder mais tempo nisso. Abraços, Pietro Roveri 17h09min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Esses seus pedidos deveriam ser para todos os que não respeitam a opinião alheia, me perseguir não vai mudar em nada. Quando a sua pergunta, não, as criticas são ao como a atividade ocorreu no passado, pode ler o tópico acima, e como vem sendo continuado de forma cega, sem aprimoramento, mesmo que a comunidade reclame de vários pontos. As soluções já foram apontadas, e não estão sendo utilizadas. Reitero, poderia melhorar muito o programa, com um sistema de capacitação de voluntários no campus, atraindo novos voluntários, por exemplo, e vários outros pontos que já foram levantados e não foram discutidos. E q.e.d. "Nem li. Próximo. " é a resposta padrão para o contratado que deveria estar ouvindo a comunidade para dar consultoria para a WMF. Rodrigo Tetsuo Argenton 19h03min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Quais são as soluções? Esse debate enorme já perdeu o sentido. Por favor, estabeleça as soluções que julga necessárias em tópicos sintéticos para discutirmos cada uma delas. Deixe de acusações ou de justificações infindáveis, sobretudo aquelas que você faz com base na bíblia carta de princípios. Por exemplo, 1) Divulgar a agenda em página do projeto; 2) alterar o nome (essa eu sou totalmente contrário); 3) Remover o Programa Embaixadores das páginas da WMBR (essa eu também sou totalmente contrário). Vamos lá, pare de achar justificativas, proponha ações, que podem não ser acatadas. Abraços, Pietro Roveri 21h26min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Já falamos de várias...

  • Capacitar vários voluntários, não deixando apenas um responsável por sala, e sim um grupo responsável por várias salas, dessas forma não sobrecarrega o voluntário presencial, e diminui a possibilidade de quando houver uma exigência em nível de urgência, haja ausência do voluntário. E se vários voluntários derem um workshop, é muito provável que um aluno se identifique com um ou outro voluntário, criando uma rede de confiança, não apenas um, que pode não ser do agrado dos alunos e apenas do professor;
  • Utilizar não voluntários escolhidos para ser a mesa online, e sim um grupo bem mais amplo, acho que a lista de emails interessante para isso, mas não do modo que foi colocado. A diferença maior é que não terá 3 voluntários específicos para cada professor, e sim qualquer voluntário que estiver disponível para responder, como um helpdesk de qualquer empresa. E até seria interessante utilizar ferramentas diferentes, tais como vídeo conferências, tem algumas que permitem as pessoas compartilharem o monitor, então a pessoa pode ver o voluntário editando em tempo real;
  • Sim, mudar o nome, a própria WMF mudou o nome do programa deles, e vários voluntários nossos desde o início do programa não gostam dessa alcunha. Muda o nome para programa "Wiki na universidade", muito simples, junta WMF e WMBr, permite que possamos aplicar diferentes projetos do Movimento, sobre o mesmo programa. E já temos a "Wiki nas escolas", então alinha;
  • Aumentar o contato com os professores, isso é um processo humano e não estamos sendo contratados, seria muito interessante que eles conversem com a comunidade, tenham uma visão melhor do que fazemos, porque fazemos, assim como fizemos com os candidatos, daria para fazer algo menos opressivo, mas próximo com os candidatos, tutoreS, não um para cada, e abrir discussões com eles sobre a atividade que eles irão realizar, para trazer mais visões, mais possibilidades para eles, não só Wikipedia, não só melhoria de artigos, poderíamos incentivar a eles documentarem os cursos que utilizam para o programa na Wikiversidade em formato de aula, tal como o Abdo o fez nas aulas dele... "Hoje lemos livros x, y, z". Aumenta muito o grau de integração com a Wiki e possibilita que outros professores possam replicar e não saírem do zero criando resultados melhores;
  • Precisamos redefinir o objetivo do programa, o maior problema do Movimento Wikimedia é o deficit de voluntários, hoje não estamos conseguindo abraçar novos voluntários, então deveria ser esse o objetivo. A construção nossa se baseia em um processo colaborativo, então quanto mais pessoas, mais conteúdo, melhor qualidade, é assim que surgem os melhores artigos, não é por EUquipe, ou mutirEU, é por construção colaborativa. Então criar processos que chamem novos voluntários, criar encontros presenciais entre os alunos e os voluntários, criar entre os alunos de um grupo e do outro, criando uma comunidade que faz parte desse projeto. Isso vai além da Wiki, e permitir interação não é perder documentação, as coisas que forem importantes serão traduzidas em ações, ou mesmo levantadas por eles nas vias documentadas. Então criar grupos no FB para o programa por exemplo, seria interessante, um twitter que jogue para eles informações e chamadas para algo, também seria legal, vídeos de depoimentos... qualquer coisa que faça com esse grupo de alunos se sinta dentro do Movimento Wikimedia. Até distribuir camisetas para eles é algo válido;
  • Já criam toneladas de conteúdos que ficam presos dentro das faculdades, então poderíamos ter voluntários fazendo um trabalho de liberação desse conteúdo, que ele já poderia ser utilizado de forma muito mais rápida na Wiki. Não precisa construir o material, precisa colocar uma licença livre e digitalizar, tenho amigos que estão querendo liberar o conteúdo que eles produziram e não são jornalistas que criam esse tipo de material toda hora, são engenheiros que foram fazer uma análise e criaram um material, fico imaginando quanto destes materiais não estão perdidos. E mesmo que as pessoas forem autorais, façam uma liberação no Source e depois desenvolve esse conteúdo em outro local, sem grilo;
  • Precisamos de divulgação massiva nas universidades, estou criando um programa de fellow para passar nas universidade que ainda não temos penetração (depois eu explano), mas temos que ir em todas faculdades que pudermos falar sobre licença livre, sobre o Movimento, quanto mais divulgação, mais voluntários, mais professores, mais atividades para o programa;
  • Acho que o foco educacional é o principal, mas para algumas faculdades podemos desenvolver com o mesmo modelo, atividades de cunho cultural, a diferença será o conteúdo mesmo, que pode ser cultural-educacional também;
  • Temos que ter uma transparência e uma abertura muito mais extrema que a atual, como vários outros mutirões. Alias, tem que virar um aglomerado de mutirões. Temos que conseguir ver o que está acontecendo em um só local, ou replicado coisas importantes por outros locais, pois só assim quaisquer erro que venha aparecer, ou qualquer dificuldade, qualquer voluntário, que esteja ou não participando ativamente, pode ajudar, e pode acrescer. Nada de reuniões com apenas pessoas convidadas, não divulgações para a comunidade como um todo, nada de definições sem consulta, nada de inciar atividades sem discussão... Otávio disse que é impraticável documentar todas as etapas, é uma falácia, se cada um documentar resumidamente o pedaço que fez, teremos uma documentação rica, mas isso só funciona para o modelo WMBr, que delega à vários voluntários a função de suporte, se for o modelo de imperador e embaixador, os dois teriam uma sobrecarga, esse é um dos motivos para não se fazer dessa forma;
  • Calendário é interessante, e acho que seria legal que ele seja abertos a sugestões e o mais importante se a comunidade achar de extrema importância, que os contratados da WMF estejam lá, sem desculpas. não vai ser toda hora que isso vai ocorrer, um evento por semestre não mata ninguém. E por exemplo, achamos tão importante que alguns voluntários matam o trabalho, matam aula, se deslocam de onde judas perdeu as botas até a casa do chapéu via grant ou via dinheiro próprio, e os funcionários da WMF no Brasil, não vão ao evento... ás vezes o evento não é de cunho educacional, mas tem parceiros, ou visões que expandem a visão e achamos que é da obrigação deles irem, eles têm que ir, temos que ter esse nível de comprometimento. É claro que teria um processo de discussão, e que eles participariam, mas se a comunidade chegou a um consenso, acabou;
  • Levar os valores da WMBr, em palestras de apresentação, ou conversas, imprimir mesmo a Carta e falar "isso é o que nos acreditamos, qualquer coisa que formos fazer terá esse 'documento' como norte", pois assim atraímos o tipo certo de professor, e ainda ele saberá, mesmo que talvez discorde, que é aquilo que utilizaremos para guiar as nossas atividades. Também é importante criar um material para mostrar o que é o livre, antes de cair para dentro da Wiki, então orientar o curso para que tenhamos antes de tudo um entendimento bom dos alunos sobre o que é a cultura livre, e o porque é bom fazer daquele jeito;
  • Ir nos grupos voluntários autônomos já existentes dentro do campus e fazer um trabalho de divulgação com eles, não acho que professor orientar é essencial, eles podem ser organizar e criarem ou liberarem conteúdos, menos burocracia mais ação, estamos lidando com adultos;

Acho que chega, se tiver mais coisas levanto depois, pois já está enorme e não vão discutir metade, e se começarem com violência gratuíta contra mim, nem o primeiro tópico irão discutir, então sem mais perda do meu tempo. Beijos Rodrigo Tetsuo Argenton 05h49min de 17 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

    • Rodrigo, suas propostas são ótimas, é uma pena que algumas não possuem embasamento na realidade, ficam na pura abstração. Vamos lá.
    • Capacitar um grupo de voluntários e utilizar grupos amplos: não temos essa disponibilidade, infelizmente, somos um grupo pequeno.
    • Mudança de nome: sou contra, perde a identidade com o restante do mundo em troca de uma pseudoidentidade local.
    • Liberação de conteúdo das universidade: ótimo, crie um projeto. O Programa de Embaixadores trata de outra coisa.
    • Divulgação massiva: novamente, somos um grupo pequeno, deixe de ser megalomaníaco.
    • Atividades culturais: ótimo, crie um projeto. O Programa de Embaixadores trata de outra coisa.
    • Transparência maior: concordo, é necessário criar o hábito de documentar as informações numa wiki.
    • Ter que virar um monte de mutirões: concordo, mas não se esqueça da realidade, somos um grupo pequeno.
    • Calendário: acho que isso se relaciona com planejamento, deveríamos participar da construção, lembre que ainda não há um plano para o Brasil.
    • Levar os valores: não concordo com proselitismo religioso.
    • Ir nos grupos de voluntários: é uma ideia boa, eles poderiam trabalhar o convencimento dos professores, porém parece que o papel do representante da Wikimedia tem sido importante.
    • Violência gratuita: as pessoas só escrevem da mesma forma que você escreve. Você parece uma fera quando escreve na wiki e nos e-mails, mas sabemos que pessoalmente é um bichinho de pelúcia. Abraços, Pietro Roveri 10h47min de 17 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
O Pietro resumiu bem a questão mas um ponto considero fundamental: somos um grupo pequeno. E isso resume o quanto precisamos ir muito devagar com as coisas. Outro ponto que é fundamental: Não é fácil aumentar o grupo de voluntários presenciais. Se fosse, com sei lá 4 anos de Mutirões, dava para ter um grupo bem maior do que o atual. Novamente a prática invalida a teoria. Deveríamos cair dentro do interesse da WMF (leia-e, financiamento) para tentar mais atividades presenciais. Mas alerto, não se empolguem muito. Vamos gastar rios da saliva para alunos relativamente interessados mas com a incerteza de continuar no próximo semestre. Por isso disse e reitero que o foco são professores e o suporte on-line e off-line para que vejam valor educacional no projeto e continuem. Nada impede qualquer iniciativa para aumentar nosso grupo mas por favor pés no chão. Não será em 1 ano que vamos resolver as coisas.OTAVIO1981 (discussão) 13h15min de 17 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
  • Antes de criticar, veja se são mesmo, eu fiz trabalho semelhante em outra ONG, e não precisei de mais de 3 voluntários...
  • Divulgação massiva não é necessário 400 voluntários, se 3 voluntários darem 1 palestra a cada semana, em 3 meses divulgamos em 36 faculdades, por exemplo. E acho que conseguímos mais voluntários que isso para dedicar 2h da sua semana, pois as palestras podemos fazer juntos.
Se vc se refere a divulgação para professores é uma idéia a ser trabalhada entretanto vale lembrar que é essencial termos capacidade de dar suporte. Salvo engano, o Tom falou com 10 professores (tem lá no Meta isso) mas só temos como dar suporte para 4, por enquanto. Não adianta divulgar muito enquanto o voluntariado não cresceu.OTAVIO1981 (discussão)
Não, a divulgação é para os alunos, para exatamente aumentar a nossa capacidade de suporte. Até porque os alunos são perfeitamente capazes de identificar quem são os potenciais professores que poderiam abarcar esse projeto, alias abraçar esse projeto, pois o processo tem que ser mutuo. Se em breve tivermos uns 5 voluntários por campus, que acho mais do que suficiente se seguirem o modelo que eu estou propondo, mas é nada para o projeto que estão continuando, ai poderíamos tentar, não o caso de vocês, pois esses 5 estariam totalmente atrelados a um professor sem capacidade de atender mais de uma sala, dar novamente palestras para os professores.
Meu caro, temos algo em torno de 10 professores e não temos capacidade de oferecer suporte presencial tão pouco identificar e capacitar prontamente voluntários no campus para fazê-lo. Um dos desafios será mobilizar os alunos que estão nestas aulas a se voluntariar ao projeto. Por incrível que pareça não é somente editar o mediawiki (que já é complicado para os alunos) mas integrá-los a comunidade online da wikipédia sem atritos.OTAVIO1981 (discussão)
  • Assim como poderei dedicar 40h em workshop para o Sesc, capacitando até 40 pessoas, posso fazer isso nos campi, já seriam 40 pessoas capacitadas por apenas uma pessoa, com 5 pessoas, são 200 pessoas capacitadas... e com as palestras não espero 200 pessoas, mas que sejam 15, já são 15 vezes mais pessoas que o programa da WMF;
A matemática é correta mas tem uns erros conceituais.1°)Nada garante que estes capacitados irão querer ser embaixadores online.2º)Uma parcela menor ainda irá se interessar em ser embaixador de campus. Os alunos são muito ocupados e é preciso um suporte pelo menos da passagem e lanche para ajudar né? já foi apontado pelo Solstag, creio, e estamos vendo alternativas para aumentar o interesse dos estudantes. No momento, a idéia é trabalhar com bolsas de monitoria ou programas de extensão mas quuem tem condições de articular isso com a universidade é o professor que já trabalha lá e conhece os caminhos burocraticos.OTAVIO1981 (discussão)
Leia de novo, o que você acha que são os 15?? 200 pessoas capacitadas - 175 desinteressadas = 15 voluntários capacitados. Não tem muitos grupos, como ex a Poli GNU como pode ver na lista, que passaria pelos processos burocráticos também. E não tem essa de alunos são muito ocupados, várias ongs, inclusive que participo, provam que quando eles querem, eles arranjam tempo, não sei a faixa de renda da UniRio, mas se for de classe média à classe média alta, também terá a mesma situação. E essa proposta de lanche, não bom e desperdício, tem vários grupos de alinos dentro da faculdade e eles fazem as coisas sem lanche, as projrs da vida, é só se estabelecer como algo tão bom para eles quanto esses outros grupos, isso vira com o tempo, mas tem que começar.
Olha o esforço e desperdício que vc quer aplicar em horas e voluntários. Gastei 16h para capacitar de modo razoável uns 25 alunos e nenhum teve interesse em continuar no semetre seguinte ajudando outro professor. Os que chegaram perto queriam algum retorno acadêmico. Tomara que as universidades de São Paulo sejam de outro mundo, então.OTAVIO1981 (discussão)
  • trocamos o nome de várias coisas aqui, temos um sistema diferente, e o programa nem é tão global, e não está tão forte ao ponto de ser necessário continuar com o brand, ou usar o brand, e lembre-se, eles acabaram de mudar o nome, para nós não faz diferença, pois teríamos que alterar o nome de fora, que está em inglês. E eu não propus nada absurdo;
vc ainda tá falando da palavra embaixadores? É sério isso? Por favor temos muitas outras coisas urgentes a resolver. O nome do projeto acho bom mudar e tirar wikimedia brasil mesmo lá na pédia. Acho que tem quer ser um nome convidativo a toda lusofonia pois estamos todos juntos nessa.OTAVIO1981 (discussão)
Não é urgente, mas é importante, não é bom e não é necessário, e não é usando mais, não tem pq. E não, estou falando que para ser uma unidade o programa tem que ter um nome que traga essa unidade, que não fira em nada os valores da comunidade local, ou WMF. Rodrigo Tetsuo Argenton 18h04min de 18 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Desculpe mas deste ponto em diante vou ignorar seus apelos para mudar o nome enquanto outros não te apoiarem nesta empreitada.OTAVIO1981 (discussão)
  • "Liberação de conteúdo das universidade: ótimo, crie um projeto. O Programa de Embaixadores trata de outra coisa." "Atividades culturais: ótimo, crie um projeto. O Programa de Embaixadores trata de outra coisa." se ele está aberto a discussões, porque não podemos discutir? E de novo, esse nome já caiu por terra;
Na moral Rodrigo, só vejo você encrencando com o nome.OTAVIO1981 (discussão)
Aqui eu só citei, pois ainda usam o nome e caramba, toda essa discussão e você acha que eu estou só falando do nome??? Sério?? Rodrigo Tetsuo Argenton 18h04min de 18 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Claro que você está se importando com coisas muito mais importantes como capacitar novos voluntários. Esse é um desafio mesmo, não tenho idéias porque só conheci 25 alunos e seus interesses. Cada um na seu campus vai ter que identificar o que cativa os alunos. Aqui, falhei. Entretanto vc não perde a oportunidade de forçar a barra como se o nome fosse alienígena. E pior, sozinho. Já disse que o que interessa é o que fazemos com os bois, e não seus nomes.OTAVIO1981 (discussão)
  • Um monte, entenda aglomerado, 3 é um monte, um montinho, mas é um monte, o importante ali são "mutirões" não o monte;
  • Calendário eu citei puxando o seu texto que pergunta dele;
  • Não é uma questão de "proselitismo", muitos acordos são feitos dessa forma "esse é o meu modus operanti", é beeeeem comum que para fechar acordos as partes levem briefings sobre eles, ou que eles coloquem os valores nos briefings da atividade proposta, não é nada de anormal;
  • O que faz uma pessoa ser voluntária nossa?
Ótima pergunta. Nem sei o que faz alguém ser wikipedista e ainda menos um wikimedista.OTAVIO1981 (discussão)
Essa pergunta é simples para a WMBr, qualquer um que quiser e seguir os valores previstos na carta, então qualquer pessoa poderia facilmente ser um voluntário daqui, entretanto um voluntário apto a esse projeto são outros 500, mas com uma capacitação, ficaria muito mais fácil de conseguir. Rodrigo Tetsuo Argenton 18h04min de 18 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Esta não é a resposta que procuro. E esta capacitação não é fácil nem de uma hora para outra. Um curso de 40h é coisa pra caramba e só deveria ser aplicado para um grupo extremamente engajado em atividades similares. Mesmo um curso de 4h é muita coisa na escala que vc quer aplicar e com a desvantagem de não ser o suficiente.OTAVIO1981 (discussão)
  • A diferença é que as pessoas não tendem a me atacar pessoalmente, e muita melindrosidade quanto a termos deixam de existir, essa é a diferença entre o online e o offline. E eu vou lhe mostrar como eu sou macio. ;) Rodrigo Tetsuo Argenton 20h04min de 17 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

@Solstag: seguindo sua sugestão de retirando o abuso de poder (sic), a lista de emails para suporte aos novatos agora se chama Wikipédia nas Universidades. --Everton137 (discussão) 11h42min de 5 de março de 2012 (UTC)[responder]

Nome[editar]

Evidentemente o primeiro problema do projeto é o nome, conforme já foi apontado. Quem criou a página da pédia fui em 2 de setembro, e certamente usaria o mesmo nome se aqui ainda fosse o antigo "Mutirões pelo Conhecimento Livre". Não me apropriei indevidamente do nome, tanto é que esta página foi movida para cá depois que a da pédia foi criada. Entretanto nada justifica a utilização do mesmo nome em dois projetos de diferentes iniciativas de voluntários pois é certo causar confusão. O próprio nome do programa ou projeto foi alterado lá no global para "wikipedia education program", se não me engano, e outros nomes já estão sendo discutidos para resolver este imbróglio aqui. Assim que for decidido um nome, a página da pédia será movida. Sugestões são bem-vindas.OTAVIO1981 (discussão) 12h26min de 14 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Muito boas essas discussões iniciadas pelo Otávio! Bem, conectando com as outras discussões que você abriu simultâneamente, nesse caso eu nem me importo com o nome. Somos um único movimento, chamado Movimento Wikimedia, e o que devemos buscar é que todas as atividades, independente de quem as articule, tenham o mesmo grau de abertura. Desenvolvo um dos muitos motivos para isso no tópico "WMF e isenção" abaixo. Outros motivos incluem a recorrência de toda as razões que já conhecemos sobre a ineficiência do sistema de capítulos. --Solstag 05h11min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Sim, somos um só movimento, mas cada um tem o seu papel e modo de ver as coisas de formas diferentes. O nome de embaixadores não vai de encontro com os valores da WMBr e não foi desenvolvido no ano anterior do modo que a WMBr desenvolve. Eu não quero que mude só o nome, quero que mude o modo como o programa está sendo feito. Se vamos fazer via Wikimedia Brasil, vamos fazer do modo que a Wikimedia Brasil o faz, se vão fazer via Wikimedia Foundantion, e não terá participação da WMBr, não podemos deixar que utilizem um nome para uma atividade que não faz sentindo para nós. Essas são as duas opções. Rodrigo Tetsuo Argenton 07h11min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

WMF e isenção[editar]

Até porque, se a Fundação Wikimedia quer ser isenta ou, mais ainda, contribuir de forma isenta para reduzir o viés nos conteúdos, então as atividades dela devem ser tão abertas quanto qualquer mutirão. De outra forma ela estará - como já está muito facilmente detectável no atual programa - inclinando a pt.wiki numa direção específica do espectro político brasileiro, pelo perfil dos funcionários que ela contrata. A melhor solução para isso não é tentar micro-gerenciar os contatos feitos pelos funcionários, o que obviamente falharia pela complexidade. A solução é retirar deles o papel deles de condução dos programas e transformá-los em facilitadores de processos transparentes e participativos definidos junto à comunidade. Até porque, nós temos muitas vezes mais inteligência e experiência do que qualquer funcionário individualmente. --Solstag 05h11min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
O problema é quando o funcionário é centralizador e não ouve o que a comunidade tem a dizer, isso pode ser um problema para as nossas ações. Rodrigo Tetsuo Argenton 07h27min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Utilização do domínio br.wikimedia para articular as estratégias do projeto da WMF[editar]

Particularmente, não concordo portanto quem desejar se manter informado ou participar terá que aceder ir a pédia ou ao meta interagir com os voluntários que estão participando. Visualizo basicamente dois motivos. O primeiro particularmente óbvio é de que a iniciativa é da WMF portanto por mais que alguns voluntários estejam colaborando não é correto, julgo, utilizar os recursos e espaço da WMBr para montar as estruturas e discussões do projeto. Inclusive, existe a necessidade de reportar tanto em inglês quanto português os resultados alcançados portanto o local mais indicado na minha opinião para participação dos interessados é o meta. Outro ponto é que o projeto envolve atualmente a wikipédia que serve de portal aos professores e alunos que estão começando o programa. Utilizar este espaço como portal aqui tem até uma certa conveniência em relação a inclusão de outros projetos como o wikibooks, por exemplo. Entretanto é fundamental para o sucesso de qualquer iniciativa a interação online com a comunidade do projeto, seja na pédia ou no books, portanto é importante centralizar esta interação somente em um projeto da WMF. Em resumo, se um professor quiser trabalhar com o wikibooks irá interagir com wikilivristas, se quiser a pédia com wikipedistas e assim por diante.OTAVIO1981 (discussão) 12h43min de 14 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Como observa o Otávio, cada projeto organiza-se onde for mais natural para ele. Por exemplo, eu toco um mutirão que está organizado na Wikiversidade, porque é o contexto mais fácil. Contudo, acabei achando útil também criar uma página aqui "redirecionando" para lá, e incluí suas ações no nosso calendário. Isso permite com que esse mutirão integre-se harmoniosamente e maximize seu potencial com os demais. Não vejo nenhuma diferença disso para algo articulado pela WMF. --Solstag 05h16min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
A idéia de manter o calendário de atividades atualizado é excelente. Só fico preocupado do Argenton considerar desvio de recurso voluntariado para uma atividade que não é da WMBr e piorar mais ainda o ambiente.OTAVIO1981 (discussão) 10h58min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
É eu sou o problema, se visse o tanto de coisas que eu faço pelo movimento, não estaria me atacando, de novo, gratuitamente. Rodrigo Tetsuo Argenton 15h41min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Não desvie a discussão. Não houve ataque. O que você faz pelo movimento não justifica o que você faz contra outros que fazem. Pietro Roveri 16h40min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Se citar seu nome é atacá-lo não há como negar que o fiz. Você, Argenton, ainda está preocupado com a utilização do nome embaixadores mesmo não tendo apoio de outros para implementar a mudança. Não percebe que o nome dos bois de certa maneira é indiferente, o que interessa é o que fazemos com eles. Mas você pode responder o que realmente acha da proposta do Solstag e eu enfio a minha viola no saco, se for o caso.OTAVIO1981 (discussão) 17h03min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Ainda estou esperando resposta, diga-se.OTAVIO1981 (discussão) 20h53min de 28 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Separação entre atividades da WMF e WMBr[editar]

Considero temerária esta separação tão distinta entre atividades da fundação e as do movimento. Minha opinião é que deveríamos nos engajar fortemente do melhor modo possível para adaptar e replicar nossas idéias. Conforme disse, não é uma discussão aberta em que todos os pontos serão discutidos na lista ou aqui. Quem quiser fazer parte e se engajar é muito bem vindo, como em qualquer outra iniciativa aqui, e em nenhum momento as idéias daqueles que se prontificaram a participar foram ignoradas.OTAVIO1981 (discussão) 13h05min de 14 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Concordo com o Otávio, com as seguintes observações. A WMF é uma das muitas corporações sem fins lucrativos compromissadas a integrar o Movimento Wikimedia. Hoje ela tem um papel fundamental como provedora de infra-estrutura e de destaque em outras áreas. Mas, independente disso, ela faz parte do Movimento e suas atividades são necessariamente atividades do Movimento Wikimedia. Por isso mesmo, devemos cobrar ali o mesmo grau de abertura que praticamos, pelos mesmos motivos que os praticamos. E mais, para não deixar que abusem, mesmo que sem intenção, do vício de autoridade para desviar voluntários e recursos, ao invés de buscar suas diretrizes em consenso com estes, que tem seus próprios planos e conhecimento de causa - o que, de leve, já vemos acontecer, especialmente fora do programa de educação. Por fim, remeto aqui às considerações que deixei no tópico "Nome" e no subtópico "WMF e isenção". Ni! --Solstag 05h42min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
Se as atividades são não transparentes, com modos de operação tão distintas das nossas, com atividades que não fomos convidados, sim deveríamos deixar claro essa divisão. Se daqui para frente os projetos do Global Developing, se alinhar com o Brasil e fazerem de modo transparente, aberto e documentado, não tem porque haver a divisão, o que não podemos deixar é simplesmente falar que estamos fazendo algo, quando não participamos de atividades, decisões e discussões sobre o programa. Falam toda hora que o programa não é fechado para discussão, mas a discussão foi aberta na Wikimedia Brasil, e o funcionário responsável não levou em consideração as mudanças sugeridas e tocou o projeto da mesma forma que ocorreu no ano passado. Teve várias propostas sugeridas por vários voluntários diferentes, que vão da mudança de nome dos voluntários a mudança na estrutura do programa como um todo. Rodrigo Tetsuo Argenton 07h22min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]
I'm sorry for my lack of understanding Portuguese: I'm sure I missed some things in these messages. I also am not clear if you want a perspective from me, but since I truly believe we are one community working towards the goal of free knowledge, I will act according to that belief and add my comments. I have a lot I could say, but my two main questions are: what has not been transparent? Could you please provide specific examples? Also, what has been suggested by "Wikimedia Brasil" which has been ignored or unincorporated? If these accusations are true, I agree they need to be corrected! Jwild 16h32min de 15 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Rodrigo, você está, na sua argumentação, forçando aos demais um diagnóstico e uma estratégia implícitos dos quais todos explicitamente discordamos: de que ou não há como recuperar a forma de atuação da WMF e portanto devemos separar tudo, ou dá para recuperar e a melhor forma de fazer isso é separar tudo. Acho que posso falar por todos os demais quando digo que consideramos que há sim como recuperar a forma de trabalhar da WMF, que na realidade nem está tão distante da nossa e a Jessie veio aí para provar isso, e que separar tudo é uma péssima solução para resolver quaisquer diferenças que existam. Mais, nós deveríamos, muito na direção contrária, encampar o máximo possível e usar da crítica construtiva para aprimorar os processos do lado de lá, pois nós temos essa força e eles estão abertos a fazê-lo, e novamente a Jessie aí está para comprovar também isso. Essa não é uma decisão que podemos tomar individualmente, pois envolve justamente a ação coletiva, portanto como minoria isolada, ou você convence-nos de que trablhar juntos não irá jamais mudar a WMF, ou entende nosso ponto de vista, admite a validade da estratégia que todos nós abraçamos, e começa a trabalhar para fazê-la suceder - para o que, uma última vez eu aponto para a Jesse, que já deixou perguntas para as quais nós inclusive já demos algumas respostas acima, mas que podem ser completadas. Abraços, --Solstag 01h26min de 17 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

A fim de encaminhar essa balbúrdia e responder à Jessie, comecei um tópico na Ágora para darmos sequência a essa discussão que já extrapolou o eixo WMBR Edu faz tempo.

Vamos dar um sossego para esta página de discussão, gente!

Acessem Wikimedia:Ágora/Aperfeiçoando a atuação da WMF no Brasil.

--Solstag 01h26min de 17 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Abdo, perceba o que eu vejo, eles querem mudanças, mas não mudam algumas coisas, por exemplo, esse encontro que teve no Rio, quem foi convidado foram os que assinaram uma página x, não houve uma divulgação para qualquer voluntário que quisesse participar, o log está no meta, e muitos souberam por acaso. Então ainda temos muitas coisas para melhorar para um dia dizer que somos uma unidade. Somos um time, só que os dois lados ainda não estão totalmente alinhados, é só isso. E todos os projetos que não forem feitos de forma WMBr, não deveria ser incentivado por nós, isso fere nossos valores. O que deveria ter aqui é uma discussão real para o projeto, antes dele ser fagocitado por nós. E estão tocando as coisas sem arrumar, acho errado, e é isso, não que eu não acho que não possa ser arrumado, mas estão atropelando as discussões e as soluções e tocando o programa. Rodrigo Tetsuo Argenton 04h33min de 17 de fevereiro de 2012 (UTC)[responder]

Professores[editar]

Sou da opinião de que os professores têm um potencial muito maior para colaborar com os projetos Wikimedia do que os alunos, por eles terem a mesma vocação que os projetos, disseminar o conhecimento, por fazer parte da rotina deles a preparação de aulas e por eles terem geralmente uma grande coleção de livros sobre a matéria que lecionam. Imaginem se 10 professores de física fizessem uma edição por mês e que cada uma dessas edições fosse suficiente para elevar um artigo à classificação de artigo bom na Wikipédia, seriam 120 artigos bons por ano, pode parecer pouco mas ao ver a matriz de qualidade do WikiProjeto Física da Wikipédia (artigo "bom" = qualidade 5) percebe-se que isso seria uma excelente contribuição.

Tem um ponto que acho que deveria ser mais aprofundado: Por que os professores não editam mais a Wikipédia? Acho que preconceito e falta de conhecimento estão entre as respostas, mas acho que seria importante fazer uma pesquisa para detalhar qual exatamente é o preconceito, qual são as dúvidas sobre os projetos Wikimedia que mais impedem a colaboração deles e o que mais é empecilho para eles começarem a editar com regularidade. Essa pesquisa poderia ser feita de duas formas, um formulário de pesquisa na internet e através de voluntários que entrevistassem diretamente os professores.

a proposta seguinte foi descartada: Já antecipando uma possível preocupação dos professores, o anonimato dos colaboradores, quero propor que o Wikimedia Brasil sirva como um autenticador de usuários. Quem quiser que suas contribuições sejam autenticadas como feitas por um professor ou um especialista de alguma área, poderiam se cadastrar junto ao Wikimedia Brasil, passando informações/documentos que atestem que a pessoa é realmente quem diz que é, possibilitando que seu nome de usuário seja relacionado à sua profissão/especialidade em uma lista, e isso poderia até permitir que usuários dessa lista coloquem uma predefinição dizendo que uma determinada revisão de um artigo foi uma revisão de conteúdo feita por um professor ou especialista. Isso diminuiria o receio dos professores de terem suas revisões de conteúdo alterada posteriormente e ao mesmo tempo daria uma maior confiabilidade aos leitores sobre aquilo que estão lendo, sem no entanto impedir que o artigo fosse editado por qualquer pessoa, pois apenas existiria um aviso no artigo dizendo que determinada revisão daquele artigo é uma revisão de conteúdo feita por uma pessoa identificada como especialista no assunto, ex:  A revisão [link] deste artigo foi uma revisão de conteúdo feita por um professor cadastrado na [link|lista de especialistas do WMBR] .

Então faço duas propostas: Realizar uma pesquisa para aprofundar os receios e dúvidas dos professores quanto aos projetos Wikimedia e desenvolver uma forma de autenticação dos professores e especialistas para incentivar e reconhecer suas revisões de conteúdo. Danilo.mac (discussão) 17h47min de 17 de setembro de 2012 (UTC)[responder]

Danilo, vou pontuar algumas questões, começando "prof 'vs' aluno"
  • Professores normalmente têm menos tempo que alunos;
  • Professores em geral têm menos afinidade tecnológica que alunos;
  • Professores leva o nome professor, e normalmente não busca a construção colaborativa e sim o argumento de autoridade;
  • Alunos poderão vir a ser professores;
  • Há muito mais alunos do que professores;
  • Qualquer um com orientação correta pode criar um artigo qualidade 6;
  • Qualquer professor interessado, pode mostrar o projeto e orientar seus alunos, multiplicando seus potencial por 30/100/500/1500, só depende do número de alunos.
Sobre "prof especialistas"
  • Primeiro ponto, Wikipedia não não é Citizendium, esse seu projeto poderia ser feito em parceria com eles, se eles tivessem uma versão pt;
  • Wikipedia não é fonte primaria, logo não se pode simplesmente crer no prof;
  • A Wikipedia é um projeto do Movimento Wikimedia, que realiza seus trabalhos via construção colaborativa livre, engessar o texto só para o professor se sentir bem, fere os valores do Movimento;
  • A confiabilidade vem das fontes e do volume de voluntários, quanto maior o número de voluntários, mais fiável aquele artigo é, pois ele passou por mais revisões, essa é a justificativa para ser um projeto aberto, de novo, não é a Citizendium;
  • E também não é garantia de qualidade um "especialista", muitas vezes o profissional brasileiro está obsoleto. Se hoje um professor escrever "não há cura para raiva" e amanhã sair a cura, não poderíamos alterar o texto, já que o texto não seria "alterada posteriormente" a edição do professor;
  • Os artigos também seriam apropriados por esse seu modelo, e não é esse o projeto, o projeto de artigos autorais, advinha? Não, não é Citizendium, era aquela enciclopédia do Google que morreu!!
  • O Citizendium tem hoje 16,276 artigos, e a maioria deles tem qualidade inferior do que as Wikipedia, até porque na Wikipedia dá para chupinhar a informação da Citizendium.

Assim eu não acho viável uma de suas propostas Danilo, agora, pesquisar os motivos pode-se fazer de duas formas, uma é pelo programa Wikipédia na Universidade da WMF, e o outro é pelo Wikimedia Brasil nas escolas, assim saberíamos os receios dos prof de ensino médio e superior. Rodrigo Tetsuo Argenton (discussão) 21h22min de 17 de setembro de 2012 (UTC)[responder]
Não propus de forma alguma engessar os artigos, propus apenas dizer que uma das revisões do artigo foi uma revisão de conteúdo. Acho que seu ponto é: os demais editores ficariam desconfortáveis com editores se achando melhor que os outros por serem professores. Nesse ponto eu concordo que minha proposta abre brechas para esse tipo de comportamento. Então vou mudar a proposta mantendo o objetivo inicial, que é atrair professores: Poderia ser criado um projeto para professores onde eles trocariam experiência sobre edição, coordenariam uma cooperação entre eles e onde eles tivessem uma ajuda específica nas dificuldades que forem identificadas como comuns entre eles.

Sobre alunos vs. professores: Por menos tempo que tenham, acho que um artigo por mês não é muito. Os alunos são de fato em maior número e têm mais afinidade com a tecnologia, inclusive grande parte dos wikipedistas são universitários, mas ainda assim só existem por exemplo 12 artigos de física com qualidade acima de 3, eles não têm interesse por artigos técnicos, mesmo quando se tornam colaboradores eles tendem a editar artigos de seu interesse. E se os professores que se interessam vão incentivar os alunos, então em vez do método de ensinar os professores a usar os projetos em suas aulas, talvez seja mais eficiente ensinar os professores a editar eles mesmos e deixar que a partir dessa experiência eles desenvolvam seus próprios modos de incentivar a edição por parte de seus alunos.

Sobre a pesquisa, o que acha de começar desenvolvendo um questionário? Criei a página Pesquisas. Danilo.mac (discussão) 18h19min de 18 de setembro de 2012 (UTC)[responder]
Ok, só precisamos pensar em alguns pontos, que eu coloquei lá.Rodrigo Tetsuo Argenton (discussão) 06h10min de 19 de setembro de 2012 (UTC)[responder]
Alias, esqueci de dizer que o programa Wikimedia Brasil nas escolas, prevê que professores de informática passarão quase que necessariamente por essa capacitação de edição e outros professores que quiserem aprender a editar, poderão também passar por essa capacitação, além de uma segunda de como utilizar dentro das aulas. A meu ver, e conversando com o Sturm ainda "hoje" (18) ele também pensa assim, uma coisa não excluí a outra. Rodrigo Tetsuo Argenton (discussão) 06h16min de 19 de setembro de 2012 (UTC)[responder]

Divulgação[editar]

Geralmente nas escolas e faculdades existem painéis com propagandas de cursos ou lugares onde pode ser colocado cartazes sobre diversos assuntos. Acho que seria interessante desenvolver algum cartaz para ser fixado nesses painéis, por exemplo do tipo "Você conhece o potencial da Wikipédia e outros projetos Wikimedia como ferramentas de ensino? Entre em br.wikimedia.org/alguma_coisa e descubra!". E divulgamos o arquivo pdf para que voluntários imprimam algumas cópias e coloquem nos lugares que tiver acesso. É um meio que acredito ser eficaz para dar mais visibilidade aos nossos projetos nas escolas e faculdades, e como a impressão e fixação do cartaz em painéis ficaria a cargo de voluntários, nós não teríamos que nos preocupar com custos de impressão. Futuramente quando estivemos formalizados e com alguma receita nós já teremos uma experiência anterior para basear um projeto mais massivo de divulgação. Danilo.mac (discussão) 15h50min de 19 de setembro de 2012 (UTC)[responder]

Eu não sei você chegou a ver isto:Wikimedia_Fellowships/Project_Ideas/Convidando_o_Brasil, tem um teco dele em algum lugar aqui e eu preciso arrumar algumas coisas daquele texto, mas se for ver é um projeto de divulgação, e até mais intenso do que você propôs, pois teriam além disso palestras, então no "saiba mais" teria uma palestra indicada ali. Mas ele ainda não saiu, por falta de vagas :P, mas podemos já criar esse material, não sei se viu isto: Wikimedia Brasil nas escolas/Material, mas estamos criando vários materiais de distribuição, podemos propor ali também esse cartazes. O que acha? Rodrigo Tetsuo Argenton (discussão) 18h19min de 19 de setembro de 2012 (UTC)[responder]
Acho que como o cartaz pode ser usado em vários projetos poderíamos centralizar o desenvolvimento em uma página e colocar o link nas outras páginas como a do WMBR nas escolas. Poderíamos criar uma página Cartazes para ir colocando e discutindo sugestões de texto para os cartazes, e então quando for decidido um texto final alguém faz o pdf. Acho que talvez o Wikimedia Portugal se interesse em fazer uma parceria conosco nisso, nós desenvolvemos um cartaz para o Brasil eles um para Portugal e divulgamos junto nas esplanadas dos projetos. Podemos também fazer um segundo cartaz, específico para avisar sobre uma palestra, com um campo para preenchimento do local e hora da palestra. Seria preciso também ter uma página para receber quem se interessar pelo cartaz, acho que uma com informação bem concisa e links para páginas mais detalhadas funcionaria bem. Danilo.mac (discussão) 01h34min de 20 de setembro de 2012 (UTC)[responder]
Acho mais fácil justificar o pagamento de impressão dentro de um projeto, do que algo solto, e em verdade, há um esforço focado ali, além de que seria sim um material mais focado ao programa, entretanto a arte seria livre, podendo assim ser adaptada para outros projetos. Não sei Portugal teria interesse, mas podemos perguntar. Entretanto, esse material será muito em breve, era para ser sexta-feira tive que adiar, analisado por uma professora de design, eu não quero despejar toneladas de ideias nela, e talvez ela também poderá nos orientar na escolha da melhor mídia para esse tipo de divulgação. Rodrigo Tetsuo Argenton (discussão) 02h39min de 20 de setembro de 2012 (UTC)[responder]