Conselho Fiscal

Grupo de Usuários Wiki Movimento Brasil
Ir para navegação Ir para pesquisar
ADMbox.png
Wikimedia Brasil Administração

Atividades

Planejamento estratégico

Compartilhe

Bookmark with Facebook Share on Digg.com Share on delicious Share on stumbleupon.com Share on Technorati Share on twitter.com Compartilhe com identi.ca

Esta página destina-se a descrever o Conselho Fiscal de um capítulo.

Perfil do conselheiro[editar]

Os membros do Conselho Fiscal devem ser brasileiros natos ou naturalizados, maiores de idade e sem impedimentos legais. Um certo conhecimento ou disposição para conhecer princípios contábeis é fundamental. Mas o mais importante é acompanhar o processo. A escolha do contador, o método, a forma de escrituração, a separação entre deliberação/registro/auditoria, etc.

Os conselheiros fiscais fiscalizam a gestão, e não podem deliberar sobre as decisões que fiscaliza. Por isso, não podem compor a administração.

O que faz[editar]

Os membros do Conselho Fiscal emitem uma opinião conjunta, o Relatório ou Parecer do Conselho, a respeito das contas anuais (aprovação do balanço, que deve ser feita anualmente, até o fim do mês de março) e assinam em conjunto esse documento, declarando que as contas estão corretamente lançadas de acordo com os princípios contábeis e normas legais e fiscais vigentes. Eles não elaboram os demonstrativos (Balanço, DRE, DMPL, DOAR, Diário, Balancetes, Declaração de IRPF, etc.), mas os aprovam.

O Conselho é responsável pelo que diz em seu parecer, e não necessariamente pelo que está no demonstrativo. Uma transação financeira qualquer é feita por decisão da administração, e é executada por seu tesoureiro. Eles são os responsáveis pela transação (devem explicações sobre as transações feitas). O contador é responsável pelo correto lançamento desta transação e deve explicar os lançamentos feitos. O Conselho Fiscal é responsável pela emissão de um parecer sobre os demonstrativos, e portanto, deve explicações sobre seu parecer sobre os lançamentos feitos pelo contador relacionados à transação feita pelo tesoureiro por decisão da administração.

É importante que fique clara essa diferença entre as responsabilidades de cada um. Não é necessário que o Conselho aprove previamente cada movimentação na conta. Esse não é seu papel. Mas ele pode (e deve) opinar, sempre que achar necessário, sobre qualquer decisão a que tenha sido informado e que tenha influência no patrimônio. A administração pode acatar ou ignorar a opinião do Conselho, mas é lógico que ela se responsabiliza pelas decisões que toma, independentemente da opinião do Conselho. Mesmo que o Conselho apóie uma decisão da administração, quem responderá pela decisão será sempre a Diretoria.

Número[editar]

Sugestão: O número mínimo para compor o Conselho Fiscal em uma OSCIP é de dois membros, mas podem ser escolhidos suplentes, a critério da associação, de acordo com o definido em seu Estatuto. Membros que demorem a participar das decisões do Conselho (elaboração do parecer anual, por exemplo), podem vir a ser substituídos pelo seu suplente. Por outro lado, com poucos membros, a exigência de muitos suplentes pode impedir a formação de um Conselho. Essa alteração de números é uma modificação do Estatuto, e teria que ser aprovada pela Assembleia Geral (pela maioria simples dos associados ou por outra proporção, a ser definida no Estatuto). A recomendação jurídica é de, no mínimo, dois titulares e um suplente, como definido em nosso Estatuto.

Presidente[editar]

Sugestão: Os membros eleitos do Conselho Fiscal podem escolher um presidente do Conselho Fiscal, a quem caberia acompanhar as datas importantes e reunir os demais membros. Podemos exigir que o presidente do Conselho tenha acesso (sem poder de voto e nem de sanção ou veto) a todas as decisões da diretoria. Ele teria “poder de voz” nas discussões deliberativas. Assim ele definiria quais são as decisões que tenham impacto patrimonial e chamaria o Conselho Fiscal a emitir opinião sobre elas, quando achar necessário.

Isso evitará que uma informação com impacto patrimonial não seja comunicada ao Conselho porque a administração não achou necessário ou não sabia que sua decisão teria tal impacto, por exemplo, e o Conselho não tenha tido oportunidade de opinar, por não ter tido acesso à discussão.

Só reforçando: o presidente não opina sozinho, caso ache necessário que haja uma opinião do Conselho, ele deverá discutir com os demais membros antes. Seu papel é de porta-voz. Nem o presidente e nem o Conselho podem proibir ou evitar as decisões administrativas e nem precisam autorizá-las, pois nenhum conselheiro fiscal pode ter poder de voto, veto ou sanção na administração.

Na prática, como em nosso caso isso ocorreria à distância, o presidente do Conselho Fiscal deve ser incluído (com cópia) em todas as mensagens trocadas entre os administradores que envolvam suas decisões. Se o presidente e o secretário discutem como deve ser feito um pagamento de um banner ou a confecção de uma camiseta, por exemplo, devem trocar as suas mensagens sempre com cópia para o presidente do Conselho Fiscal, mesmo que ele não participe da decisão.